16.9.08

PRAZER EM CONHECER

.

.

.

.

A noite era de calor tórrido e abafado. As ventoinhas exibiam as pás difusas, na lentidão do remexer o ar parado. O lobby do hotel, mesmo assim, era um oásis ténue no deserto da noite citadina. O que estava a fazer ali? No meio do Yucatan, numa cidadezinha chamada Valladolid, a lembrar terras de Espanha. Cruzei a perna na impaciência da tua chegada, e fechei os olhos na procura da recordação do teu rosto. Deixares-me sozinha no Parque em frente ao Hotel, com a promessa de voltares ao principio da noite. Tenho que fotografar os Índios que apoiam o Comandante Marcos do Ejército Zapatista de Liberación. Souberam que estávamos aqui, e convidaram-me. É uma oportunidade única.

.

E vi-te entrar na camioneta da escola que partiu numa nuvem de poeira, como nos romances. E eu, a personagem feminina, deveria chorar a ver-te partir. Em vez disso fui tomar um banho de imersão bem frio. Não durou muito tempo porque as cucarachas também estavam cheias de calor, e apareceram para se refrescarem. De olhos fechados, imaginando a brisa que me lambia o corpo a intervalos, ouvia o som ritmado das infindáveis canções de mariachis. Abri os olhos, espantada e surpreendida, no momento em que as congas deram lugar a uma voz escondida nas profundezas da mente. cantava, Please allow me to introduce myself / I´m a man of wealth and taste...

.

A minha surpresa ainda foi maior, porque à minha frente estava um homem alto, ligeiramente curvado na minha direcção, como se estivesse a fazer uma pequena vénia. Reparei na altura que vestia um fato preto a contrastar com o forro dum vermelho vivo, camisa branca e gravata azul escuro com riscas laranjas, brancas e azul claro. Fiquei presa naquelas riscas hipnóticas e fui despertada pelo fumo acre da cigarrilha cubana.

. Let me please introduce myself / I’m a man of wealth and taste, continuava a canção cada vez mais familiar. Ele sentou-se a meu lado, e num gesto no limite do charmoso, pegou-me delicadamente na mão e simulou o beijo, que embora não tendo existido, (será que não existiu?) teve o condão de me provocar um arrepio que percorreu o braço direito, entrou pelo pescoço e espraiou-se pelo tronco até sair pelo sexo na vibração quase, quase órgásmica. Olhei atónita e confusa para a silhueta em contra luz, que ainda mantinha a minha mão na dele. Senti-lhe os olhos de fogo e tentei descortinar o que haveria dentro deles.

.

So if you meet me / Have some courtesy / Have some sympathy, and some taste…, continuava a canção já conhecida, mas não identificada. As congas acentuavam o ritmo e a voz era cada vez mais possessiva, como o olhar que me envolvia e apertava como uma cobra a imobilizar a sua presa. Queria perguntar-lhe o nome, mas não consegui. Em vez disso, vi-te a sorrir. Pensavas em mim e soube isso naquela altura, naquele instante em que senti, ou pensei ouvir uma gargalhada rouca a ecoar bem no fundo de mim mesma. Olhei de novo para o homem que tinha a meu lado, traçara a perna e pusera o braço a contornar-me os ombros nus. Senti um frémito de gozo antecipado e num impulso bem consciente, não posso mentir, desapertei o corpete, botão a botão, e mostrei-lhe os seios sequiosos de luz. Ainda hoje não sei porque o fiz, mas a vontade de abrir o corpete e mostrá-los foi avassaladora.

.

Tell me baby, whats my name / Tell me honey, can ya guess my name / Tell me baby, whats my name / I tell you one time, youre to blame / Ooo, Who…., finalizava Mick Jagger. O homem sorriu (será que sorriu?), na minha direcção, levantou-se e pronunciou as únicas palavras de que me lembro, Señorita..., e cruzou a porta do hotel no instante em que entraste. As tuas palavras, quando me viste, assim exposta e meio atordoada, ficaram para sempre gravadas na minha memória, Vinha com uma saudade louca de te beijar os seios... como é que adivinhaste?

Nunca tive a coragem de te dizer. Até hoje!

.

.

.

(texto publicado no Excitações Primeiro Set)

11 comentários:

Shelyak disse...

Quem bem que me lembro deste post mas confesso que não sei se a memória estaria mais fresca quanto ao texto ou quanto à foto... :)))
Beijinho e Abraço!

Anonimo do Algarve disse...

Muito bom o texto, sensual Q.B. e com uma foto que é como uma cereja em cima do bolo, simples e divinal.

Bj

Jaime disse...

É caso para dizer que tens muitas belas histórias no seio dos teus arquivos.... Fizeste bem em voltar, a clientela fiel agradece.
(Fiquei agora curioso sobre a sorte do Comandante Marcos, que será feito dele?)

GAGGINGyou disse...

"...E vi-te entrar na camioneta da escola que partiu numa nuvem de poeira, como nos romances. E eu, a personagem feminina, deveria chorar a ver-te partir..."

Sublime, pois a própria frase evoca em si a consciencia do romance.
É sempre...mas sempre mesmo um prazer ler os teus textos!

Um beijo.

VdeB disse...

Foi bom reler este texto.

É muito bom ter a Maria Mercedes de volta.

Duas coisas boas para descomprimir deste ambiente depressivo e global que se cola e entranha como o sorrateiro e salgado nevoeiro vindo de Sul pelo Atlântico.

Mas mesmo assim, seria melhor ainda se o primeiro set da ceremony não estivesse arquivado.

E + uma vez...
Obrigado
(pelas palavras deixadas que muito apreciei)

provoCão disse...

que memórias doces :D

Antonio saramago disse...

Quem me dera ter uma memória como a tua!!!
A prolongada ausência acabou?

Lyra disse...

Lamentavelmente não me tem sido possível visitar este blog com tanta assiduidade quanta ele merece e que eu gostaria.
Fica, no entanto, a promessa de um regresso em breve para uma leitura pormenorizada.

Até lá ficam os desejos de tudo de bom e um excelente fim de semana.
Beijinhos e até breve.

;O)

P. S. - Nunca me esqueço de ti!

Cantinho dos devaneios disse...

Voltando para ter o PRAZER de te lêr!...

É bom têr-te de volta... é bom estar de volta! Espero que as férias tenham sido boas!

mariazinha disse...

double exposure! ;)

os teus textos estão sempre recheados de pormenores vintage! Delicia!

beijo*

Abssinto disse...

Que conto tão cheio de TI!
Adorável, pois.

 
Site Meter