29.9.08

MOUNT GAY

.
.
.
.
O Dolphin Dance inclinava-se na bolina elegante dos seus cinquenta pés. A costa escarpada da ilha de Bequia aproximava-se velozmente por entre a névoa formada pelas miríades de partículas de água que brincavam ao apanha na rebentação desordenada das ondas. Para trás tinham ficado os Tobago Cays e a Petite Saint Vincent. Para trás tinham ficado igualmente pedaços de todos nós, colados com mar e vento às areias das ilhas desertas, esperando os piratas charmosos da nossa imaginação.
.
.
Atenção ao bordo, gritou o Louis LeClerc da roda de leme de estibordo. Podíamos ver o branco dos olhos das rochas quando avisou com voz decidida, Leme de Ló. As escotas dançaram umas com as outras, a genoa oscilou a princípio, como se ainda não tivesse decidido mudar de bordo, enquanto a vela grande, orgulhosa e vaidosa, com um sacão passou para a amura de bombordo. Com esta manobra, passamos a ver a entrada da baía de Port Elisabeth. Mais um bordo e estávamos de novo em Bequia, para nós a mais querida de todas as ilhas daquela zona das Caraíbas.
.
. A noite chegou enquanto preparávamos o jantar a bordo. Era noite de festa e nós estávamos lá para dançar até de madrugada. Era a nossa última noite antes de entregar o barco na baía de Blue Lagoon, em St. Vincent, nosso remoto local de partida, parecia que há muitos séculos atrás.
.
. Atracámos o dinghy na amarração do clube de mergulho, e fomos à procura do local da festa. Tinham-nos dito que vinha um músico fabuloso que dava pelo nome de Shadow. A coisa prometia, só faltava saber onde. O Jimmy, natural da ilha, sabia bastante bem onde era a celebração, como viríamos a constatar depois. Mas antes, a caminho do local do ritual dançante, fomos visitando todos os bares, como de fossem estações de uma peregrinação. Em vez da reza do costume, provávamos a Caribe local. E assim fomos subindo a encosta, seguindo o nosso guia casual, até chegarmos ao recinto de jogos de Criquete e Basquetebol. A multidão que ondulava junto ao portão, dizia-nos que era ali. Depois de me porem uma pulseira cheia de hologramas a brilhar, entrei para o recinto já quase cheio. Parecia que estava numa festa de liceu ao ar livre, com a diferença que os alunos eram todos de cor, e só nós e mais um casal de holandeses, a ver pelo escaldão que levavam, é que éramos a dar para o deslavado. Além disso, estavam todos a petiscar frango frito com arroz e feijão, em vez de gelados e pipocas. Onde é que se bebe?, perguntou o LeClerc ao Jimmy.
.
.
Não servem bebidas alcoólicas aqui, só Cocacola, respondeu num sorriso branco pepsodente, para acrescentar, Mas o que o pessoal aqui faz, é ir lá fora comprar uma garrafa de Rum, daquelas de bolso, e depois baptiza a cocacola aqui dentro, discretamente, salientou com um arquear de sobrancelhas multirracial. Olhei para o LeClerc, mas já só lá estava a sombra quádrupla dos projectores.
.
.
Não contive um sorriso quando o vi regressar como se nada fosse. Olhava distraidamente para os polícias que vigiavam o recinto. Do inchaço enorme no bolso dos calções, sobressaía o gargalo de uma garrafa. Comentou que, Já não havia das pequenas, então comprei a do costume, e puxou ligeiramente a garrafa onde se lia em letras douradas, Mount Gay Reserva. Sorriste também, como se fosse a coisa mais natural do mundo e disseste na ocasião, Então vamos lá beber umas cocacolas.
.
.
Já a garrafa ia a meio, quando o Shadow entrou triunfante na sua barba grisalha a pontuar de branco a vestimenta negra. A banda acentuava os riffs de guitarra com a secção de metais, e toda aquela massa de corpos ondulantes vibrava em uníssono. Perdi-te de vista. Navegavas em rumos concêntricos, e ciclicamente vinhas ao meu porto, para te abasteceres de mim e também de Mount Gay.
.
. A celebração estava no auge, deixou de haver negros ou brancos no recinto. Havia apenas a música e o mar de corpos que a dançavam. De repente um vento fresco começou a soprar devagarinho, para de seguida se abater sobre nós uma chuvada torrencial, daquelas que encharcam até a alma mais empedernida. Que me lembre, ninguém arredou pé, nem parou de dançar.
.
.
Shadow para finalizar, repetiu em versão extra longa o tema ícone daquela noite, para delírio de todos. A garrafa de Mount Gay foi deitada fora na vergonha de ter ficado vazia, e nós dirigimo-nos cambaleantes para a amarração, onde o dinghy nos esperava pacientemente, para nos levar a uma das estrelas da constelação de Mooring que brilhava por cima de Admiralty Bay. No caminho, descobriste no bolso da camisa ensopada de chuva e suor, o resto de um charro da erva mais mortífera que alguma vez fumáramos, e para acabar o ritual, acendeste-o. Fumaste-o com o LeClerc. Eu já tinha emoções que chegassem e bastava o cheiro para me pôr zonza, e o outro tripulante que nos acompanhava, já estava clinicamente ausente. Caminhava automaticamente, com a ajuda da descida da rampa que nos conduzia à praia, cantarolando baixinho o refrão da última música.
.
.
LeClerc insistia em ser ele a levar o dinghy. Sou quem tem mais tempo de mar, por isso levo eu, dizia com o indicador levantado para acentuar. E eu sou o mais velho, dizias tu não muito convencido. Para piorar a situação apareceram dois tripulantes de um catamaran de charter a pedir-nos boleia para a embarcação. Comecei por dizer que talvez não fosse muito boa ideia, mas os braços abertos do LeClerc desfizeram qualquer dúvida. Ainda hoje penso que o sorriso dele brilhava no escuro. Com os tripulantes do Catamaran a indicar o rumo, foi fácil dar com a embarcação deles. Depois foi por puro acaso que encontrámos a nossa no meio da quantidade de barcos fundeados na baía. Fazias coro com o Louis, ao dizer que, Com um fuminho damos sempre com o barco. E riam-se até se engasgarem, como dois putos contentes e felizes.
.
.
Acostámos na perfeição ao Dolphin Dance, aí o acaso já não teve nada a ver com isso, e acordámos os que tinham ficado a bordo, com as risadas alucinadas de quem não quer fazer barulho. Deu-nos a fome, porque seria?, e fomos comer os restos do jantar. Já não havia cerveja, e quando o drama profundo já se começava a desenhar, eis que surge LeClerc, triunfante com uma garrafa de Mount Gay na mão. Tinha-a guardado para uma emergência, disse no sorriso mais feliz que alguma vez vi.
.
.
No dia seguinte, iniciámos os procedimentos para voltarmos a Portugal. No entanto, acho que ficámos todos em Bequia e continuamos a viver por lá. Regressaram as nossas sombras. Nós ficámos na Terra do Nunca.... .
.
.
.
(João Pedro, será que respondi à tua pergunta?)

11 comentários:

Luis LeClerc disse...

Que bela descrição, minha cara Maria Mercedes. Tem razão: ficámos lá, pelo menos alguns de nós. Mas olhe que os homens são como as enguias: acabam sempre por voltar para casa.

Luis LeClerc

GAGGINGyou disse...

Sabes da minha perdição por linhas de horizontes que clamam proas incógnitas... : )

Mount gay... Provei-o pela primeira vez este ano, e é sublime. Aveludado com promessas de terras quentes... Como uma mulher confiante, relembra-nos que debaixo da suavidade está a embrieguez dos sentidos.

Adorei o texto.
Um beijo

Shelyak disse...

Fantástico! até o detalhe (por acaso ou não) da duração da música ser idêntica ao tempo de leitura do texto...
Beijinhoooooooooooo
:)))

sonho disse...

cheguei aqui através do vdeb

adorei o seu "acerca de mim". prazer em conhecer!

e é bom que às vezes se fique pela terra do nunca

bonito!

Anónimo disse...

excelente trip e óptima companhia. As viagens também parecem ser o forte da "sonhadora" secretaria de estado dos transportes

VdeB disse...

Mais do que esclarecido, estou deliciado Maria Mercedes.
Vivi intensamente todas as frases deste teu conto.
Toda a gente terá motivações prioritárias nas suas vidas. Para mim, a relação com o mar é algo difícil de explicar mas que creio ter nascido comigo. É uma relação em que o usufruto vai para além da sintonia com a natureza. Difícil de explicar é também a empatia com as gentes que retiram dessa relação o mesmo que eu. E aqui cabe a euforia e celebração da chegada que hoje tão bem nos contaste. A aventura da descoberta e vivência com a terra a que aportámos tal como ela é, como nos recebe. E eu que já há tanto tempo não tenho uma aventura dessas, mais precisamente há um ano e um mês, estou necessitado de soltar amarras outra vez.
Tenho estado a pensar como te retribuir o prazer que foi receber esta resposta.
Sendo sabido que a escrita não é o meu forte, em Março de 2007 entusiasmei-me e escrevi no meu blogue sobre a aventura que vivi na primeira tempestade que enfrentei no mar. Foi uma noite mágica embora apenas tenha bebido uma chávena de chá verde.
Pois vou republicá-la de propósito para tu leres.

Abssinto disse...

O improvável acontece.

Casal 30 disse...

Ola, descobrimos o vosso blog e gostamos, por isso colocamos um link no nosso.

Se quiserem fazer o mesmo, agradeciamos.

http://casal-trinta.blogspot.com

Cantinho dos devaneios disse...

Adorei, como sempre!

De repente fiquei cheio de vontade de ir de férias...

Token disse...

Não me pareces uma mulher completamente satisfeita!

Se aprecias a loucura, o CALOR, a SEDUÇÃO, andar de g-string, deixares-te levar num mundo de prazer com os olhos vendados, sem BARREIRAS, a descobrir o Mundo com a boca e com as mãos... Pssiiiuuu... nekot@sapo.pt!

Sigilo! Confirmação por telefone!

Beijos tesudos, mpu-mpu!

Assinado: aquele!

PS:
Às escondidas? Hummm-hmmm, não conta! Uuuuuuuuuuiiii...

Jaime disse...

A tua sombra naufragou entre Bequia e Lisboa? Aqui este nativo gostava de lhe e dizer benvinda. Solicita-se noticiário marítimo... :-) Beijinhos.

 
Site Meter